Passou da hora de falar sobre prevenção do suicídio

Até o fim do ano 800.000 pessoas vão cometer suicídio. A cada 40 segundos, uma pessoa tira a própria vida. No Brasil, 25 pessoas dão cabo à própria vida por dia e para cada uma dessas que conseguiu cumprir seu objetivo, outras 20 tentaram sem sucesso. Se o problema é tão grande assim, por que não falamos sobre prevenção do suicídio?

Primeiro é preciso entender o que leva uma pessoa a escolher esse destino. Suicidas geralmente são pessoas que sofrem com algum transtorno mental como depressão ou têm algum tipo de dependência química como alcoolismo.

O suicídio é o fim da linha. É o recurso ao qual recorrem aqueles que já não suportam mais conviver com seus fantasmas.

Muitas vezes visto como covardia, o suicídio é, na realidade, um sintoma perigoso de uma sociedade que se recusa a falar abertamente sobre problemas tais como ansiedade, síndrome do pânico ou esquizofrenia, por exemplo.

Estima-se que 90% dos suicídios podem ser evitados, caso haja condições básicas para oferta de ajuda.

No Brasil, o Centro de Valorização da Vida (CVV) atua há mais de 50 anos na prevenção de suicídios oferecendo aconselhamento de maneira gratuita.

Quem tem maior risco de cometer suicídio?

O grupo mais sujeito a cometer suicídio no Brasil são homens com idade entre 15 e 34 anos. Apesar disso, para cada homem que tira a própria vida, há três mulheres que tentaram e não conseguiram. Isso acontece porque os suicidas do sexo masculino geralmente usam métodos mais diretos como o emprego de armas de fogo, enquanto as mulheres optam por meios que proporcionem menos dor, como ingestão de remédios.

O estigma que cai sobre as pessoas que já não suportam mais viver é bastante pesado. Além de toda a carga de culpa católica que paira sobre a questão, vivemos tempos em que falhar não é uma opção. Em épocas de sucesso obrigatório, admitir que o suicídio é um problema real é o mesmo que admitir que falhamos como civilização.

O vídeo abaixo mostra como a nossa percepção sobre o assunto é vital para que consigamos discutir a questão diretamente e prevenir casos fatais.

(Clique em ativar legendas. Para assistir em Português, clique em “configurações” e selecione o idioma).

 

Cinco sinais de suicídio

1 – O Alarme

Não raro, pessoas com pensamentos suicidas expressam sua vontade de se matar. Seja em uma conversa ou em um post no Facebook. Não julgue nem ignore. Muitas pessoas pensam que é um chamado por atenção, mas pode ser uma vontade legítima.

2 – A Mudança

O humor de um potencial suicida pode mudar da água para o vinho em questão de segundos. Isso porque muitas vezes, essa pessoa enfrenta algum tipo de desequilíbrio químico no cérebro.

3 – A Depressão

Suicídio e depressão andam de braços dados. Cerca de 15% dos pacientes severamente deprimidos dão fim à própria vida. Se você ainda não sabe identificar um caso da doença, leia este post aqui.

4 – O Abuso de drogas

Boa parte dos casos de suicídio está associada ao uso indiscriminado de álcool e outras drogas psicoativas.

5 – O Teatro

Existem registros de pacientes em estado grave que burlaram os cuidados das clínicas em que estavam internados. Ao voltarem para suas casas cometeram suicídio. Toda melhora substancial e repentina deve ser vista com cautela.

 

psicólogos online

Causas mais comuns de suicídio

1 – Doenças mentais

Entre as causas mais comuns de suicídio está a doença mental. Algumas delas são transtorno de ansiedade, doença bipolar, esquizófrenia ou depressão.


2 – Trauma

Qualquer tipo de experiência traumática pode levar uma pessoa a se sentir desamparada, culpada e / ou envergonhada. Vítima de abuso físico, abuso sexual ou algum ou outro trauma pode causar transtorno de estresse pós-traumático, que por sua vez pode levar a suícidio.


3 – Bullying

A maioria das pessoas que sofre bullying enquanto cresce ou anda na escola. O bullying pode ter um efeito profundo na maneira como as pessoas pensam e como se sentem. A maioria das pessoas que sofrem acabam se sentindo extremamente deprimidas, sem valor e sem esperança de mudar sua situação.

 

4 – Transtornos de personalidade

Pessoas com um transtorno de personalidade podem ter problemas para manter relacionamentos, manter um emprego estável e / ou lidar com a vida. Por exemplo, alguém com transtorno de personalidade dependente pode estar com muito medo de deixar um relacionamento abusivo. Essa “dependência” pode levar a pessoa com esse transtorno a considerar o suicídio como uma fuga de suas circunstâncias.

 

5 – Desemprego

Estar desempregado pode levar a sentimentos de isolamento e fazer com que sua vida pareça vazia. Com uma economia em baixo, muitas pessoas perdem seus empregos e conseguir um novo emprego pode ser difícil. Em muitos casos, estar desempregado não só faz as pessoas sentirem que não têm nenhum propósito na vida, mas também pode levar à depressão por falta de renda.

6 – Isolamento Social ou Solidão

Estar socialmente isolado da pode prejudicar a saúde mental e considerar o suicídio. Socializar e interagir com outras pessoas é uma necessidade humana básica. Se as necessidades sociais não forem satisfeitas, uma pessoa pode começar a sentir-se sozinha, o que leva à depressão e, possivelmente, a pensamentos suicidas. A solidão é definida como um sentimento geral de tristeza como resultado de estar sozinho ou se sentir desconectado dos outros.

 

7 – Dor crônica

Se você tem dor crônica, isso significa que você teve uma dor diária que persistiu por três a seis meses. Essa dor muitas vezes prejudica sua capacidade de funcionar ao longo do dia e pode afetar a mobilidade, a capacidade de realizar determinadas tarefas e até mesmo a saúde mental de uma pessoa. Embora os níveis de dor diferem entre os que sofrem de dor crônica, uma coisa que todos eles têm em comum é a incapacidade de escapar do desconforto diário associado à dor.

Como tratar quem tentou cometer suicídio

Acompanhamento profissional de psicólogo e psiquiatra é fundamental nestes casos. É importante que o profissional perceba o grau de entendimento do pacien­te sobre o conceito de morte. Como exemplo: a gravidade, a motivação e o grau de consciência do ato suicida, intensidade e persistência da ideação suicida. Outro fator a ser investigado é o meio que o paciente utilizou para a preparação. Saber o que ele fez para garantir que a morte em si fosse evitada e que um possível resgate fosse efetuado, antes da atual tentativa.

Devem-se evitar atitudes de censura ou julgamen­tos, utilizando uma abordagem de acolhimento e de cuidado. Ela proporciona maior expectativa de uma evolução satisfatória. Tanto quanto à busca de um tratamento psiquiá­trico posterior, quanto a uma menor incidência de tentativas posteriores de suicídio. Veja o bate papo com a Graciele Cavagnoli, psicóloga especialista em tudo sobre suicídio.

https://youtu.be/AVhvty6owIs

O Zenklub é um serviço de acompanhamento psicológico e não foi desenhado para atender a emergências relacionadas a suicídio. Em casos assim, o melhor é entrar em contato com a emergência (192) ou com o CVV (141).


Faça o teste clínico de depressão

O reconhecimento e diagnóstico de depressão nem sempre são simples. Se você quer saber se tem depressão, clique no link: teste de depressão  e faça um questionário de 8 perguntas (duração menos de 1 minuto). O teste é adaptado do teste científico Americano criado pelo Dr. Spitzer e Dr William (PHQ – Patient Health Questionnaire).

Zenklub

Zenklub

Proporcionar um estilo de vida mais saudável e permitir que as pessoas se empoderem da sua saúde emocional e bem-estar é o objetivo do Zenklub. Para além das matérias no blog, no site você pode consultar um psicólogo por vídeo-chamada de onde estiver. São mais de 80 psicólogos a um clique de distância.
Zenklub