Brincar no computador é fácil. Se errar, reinicia. Brincar  com os amigos já é outra história. Implica em insistir, persistir e aprender com o outro. A brincadeira compartilhada ajuda as crianças a superar frustrações, dividir o tempo com o outro e também a reconhecer a hora de falar e de ouvir.

É brincando que se aprende a ser criticado e, naturalmente, elaborar defesas. E quando a diversão acaba, mais uma grande lição: recolher e reconhecer o que é seu, pensar o que é possível trocar com o outro e então, guardar e organizar seus pertences.

Alguns pais me perguntam por que seus filhos não guardam os brinquedos após o brincar. Me contam que algumas crianças os abandonam em qualquer lugar e que se desapegam facilmente. Eu sempre digo aquilo que parece birra pode, na verdade, significar muito mais. Os adultos precisam revisar periodicamente a quantidade de brinquedos oferecido às crianças. O excesso pode induzir ao desperdício e a outras questões, como a falta de responsabilidade com aquilo que se tem.

Nesta revisão com a criança, talvez seja possível doar os brinquedos que elas não queiram mais ou que ainda as agrade e exatamente por isso possam ser partilhados com outra criança. O guardar fecha o ciclo da atividade lúdica, sua relação com o que é seu e a manutenção das relações de troca. Podemos pensar também no início do aprendizado da responsabilidade. O brincar promove vivências e experiências, auxiliando na construção da subjetividade. Na ação do brincar é possível descobrir mais sobre ela mesma e desenvolver a criatividade.

Quando uma criança brinca, entra num mundo de faz de conta, onde tudo o que ela deseja pode acontecer. Ela pode ser mãe, pai, professor, cachorro, pode viajar, virar super-herói. Simboliza seu mundo interno, diferencia o real do imaginário. A criança pode brincar sozinha? Pode, mas a presença de outra pessoa, criança ou adulto, disposta a estar com ela nesse momento, fornece segurança, apoio e afeto.

Ps. Se quiser agendar uma consulta por vídeo-chamada com a Elba Amaral, ela atende no Zenklub.

Elba Amaral

Elba Amaral

Psicóloga Clínica com experiência em processos de autoconhecimento, depressão, conflitos afetivos, mudança ou problemas na carreira. O objetivo é reconhecer seus recursos psíquicos para fazer frente às demandas do cotidiano, fortalecendo sua capacidade de lidar com as emoções.
Elba Amaral