Qual a primeira palavra que vem a sua cabeça quando mencionamos o tema conflitos? Muitos de meus pacientes sempre têm uma resposta pronta para esta pergunta: brigas, desentendimento, ou ainda… mágoas, rompimento e separação. A verdade é que a função do conflito não é gerar esse tipo de comportamento ou sentimento, mas sim fazer com que o casal chegue a um denominador comum a respeito de alguma situação e construa sua própria identidade.

Então, por que o conflito é associado a comportamentos e a sentimentos que desejamos evitar?  De acordo com  a PHD e professora de psicologia da universidade de Maryland, Renée Peltz Dennison, somos ensinados a evitar conflitos desde a mais tenra idade.  As mulheres são criadas para resolver os problemas emocionalmente (abraçar, beijar). Já os homens são ensinados a evitar o conflito e, quando não conseguem, muitas vezes lidam de forma explosiva ou violenta e seguem em frente.

A maioria das pessoas não é ensinada a debater sobre as questões que as incomoda e a resolver a situação, o que também agrava o conflito, dando a sensação de que é algo muito maior do que parece ser. Quando falamos de um casal, também temos que entender que não se trata somente do conflito pessoal de cada membro, mas também dos conflitos que ambos passam juntos. Cada par tem seus desafios pessoais, bem como o casal, que tem os seus desafios em comum.

Mas se não sabemos lidar com nossos conflitos pessoais, como esperamos lidar com os conflitos em casal e ainda tirar uma lição positiva disso?

É preciso lidar com os conflitos

Temos que parar de evitar o conflito. Divergências de opinião existem e precisam ser comunicadas. O que acontece é que alguns casais têm medo de perder o afeto do parceiro e assim se calam a respeito do que está lhes incomodando no próprio parceiro e na relação.  Quando não comunicamos algo, perdemos a oportunidade de mostrar o que nos incomoda e sucessivamente vamos acumulando conflitos internos que podem resultar em brigas e até em separações.

O primeiro passo para uma comunicação mais assertiva entre o casal e para a resolução do conflito é dizer de maneira amigável o que incomoda. Não há como o outro saber o que você está sentindo a respeito de determinada situação ou conflito. Sempre diga ao outro, não vá dormir sem antes comunicar a situação que te perturba. Deixe as coisas claras, escute o que o outro tem a dizer e só então coloque o seu argumento.

Enfrente o medo da perda

Você gostaria de ter um(a) parceiro(a) que não entendesse seus conflitos ou o que você está sentindo com determinada situação? A pessoa que está disposta a construir uma vida ao seu lado também deve estar disposta a aceitar os seus defeitos. Caso contrário, será que vale a pena continuar neste relacionamento?

Entender que os conflitos podem ajudar no crescimento pessoal e do casal ajuda a melhorar a sensação de perda. Não há certo ou errado, o que existe é um conflito que necessita ser resolvido da melhor maneira possível.

Todos têm conflitos, o problema é que  nos inspiramos nos “casais maravilha”, principalmente os que são apresentados pela mídia, para construir uma relação, mas eles também discutem e tem os seus problemas. Queremos que tudo seja lindo, mas na maioria das vezes essa não é a realidade.

Se a sensação de perda ainda for muito forte, procure a ajuda de um psicólogo, você precisa entender mais a fundo o que está acontecendo e de onde vem essa sensação de perda que te faz evitar a comunicação de situações incômodas na sua relação e talvez no seu dia a dia.

Ps. Se quiser agendar uma consulta por vídeo-chamada com a Ana Paula Marinho, ela atende no Zenklub.

Ana Paula Marinho

Ana Paula Marinho

Psicóloga clínica com 10 anos de experiência. Atua principalmente com questões da mulher contemporânea desde relacionamentos afetivos e trabalho até violência doméstica e abuso sexual. Também atua como psicóloga geral atendendo casos como depressão, ansiedade e fobias.
Ana Paula Marinho